sábado, 23 de janeiro de 2010

RAW

O formato de arquivo RAW da fotografia digital é equivalente a um filme negativo na fotografia analógica, ele é intocável, o “RAW” registra exatamente as mesmas informações do sensor da câmera, pixel a pixel. O formato de arquivo RAW tem ainda de ser submetido a Bayer “demosaicing”, e assim ele contém apenas um valor vermelho, verde, azul para cada pixel. As câmeras digitais, normalmente, criam esse arquivo RAW quando fazem um foto e depois através de alguns processos fazem a conversão dele para um arquivo de imagem JPEG ou TIFF e, em seguida, gravam o arquivo convertido no cartão de memória. As câmeras digitais têm de tomar várias decisões através do processo para gerar um arquivo RAW para convertê-lo para JPEG ou TIFF e assim esse formato de arquivo oferece a você mais controle sobre como a última imagem JPEG ou TIFF será gerada.
Um arquivo RAW é submetido a vários processos antes de ser convertido em um arquivo final de imagem JPEG ou TIFF e em cada uma dessas etapas são feitos diversos ajustes irreversível. Uma das principais vantagens da RAW é permitir ao fotógrafo de adiar a aplicação destes ajustes - dando mais flexibilidade para o fotógrafo aplicar depois essas alterações de uma forma mais adequada a cada imagem. O diagrama a seguir ilustra a seqüência de processo para gerar um arquivo JPEG ou TIFF e um RAW



O processo de Bayer “demosaicing” e balanço de branco acontecem no mesmo passo do processo e envolvem interpretação e conversão de uma imagem com todas as três cores em cada pixel. Se nessa parte conseguíssemos ver a imagem, poderíamos ver o Bayer array deixa a imagem pixelada e dá um tom esverdeado e devido ao processo intensidade luminosa será quadruplicada e nossos olhos não perceberão tudo isso. Uma câmera digital, por outro lado, as diferenças nos registros leveza linearmente - duas vezes a luz produz o dobro da intensidade da resposta no sensor da câmara. Devido a isso as primeiras duas partes do processo a imagem aparecerá mais escuras do que nos próximos passos. Para que os números registrados (pixels) no âmbito de uma câmera digital para ser mostrada como nós percebemos precisam ser aplicados as curvas e tons.
A saturação de cor e contraste também pode ser ajustada antes de tirarmos as fotos dependendo da configuração utilizada na câmera. Na imagem então é aplicado um “sharp” para compensar o efeito “soft” causado pelo demosaicing
A alta profundidade de bits de uma imagem RAW é então convertido em 8-bits por canal, e compactado em uma compressão JPEG com base na definição dentro de sua câmera. Até esta etapa as informações do RAW estão no buffer de memória da sua câmera.
Existem várias vantagens de se efetuar qualquer uma das etapas acima para conversão de RAW depois no computador pessoal ao invés de fazer tudo direto na câmera. Abaixo vou descrever podemos utilizar esses arquivos RAW e melhora o processo de conversão.

DEMOSAICING

Demosaicing é um processador muito processo intenso, e assim os melhores algoritmos de demosaicing exigem mais poder de processamento do que existe hoje nas câmeras digitais. A maioria das câmeras digitais hoje utiliza alguns algoritmos mais simples e mais rápidos para fazer a conversão de um RAW para formato TIFF ou JPEG o que, muitas vezes, compromete seriamente a qualidade final dos arquivos. Fazendo o processo de Demosaicing em computador pessoal permite a utilização de algoritmos melhores devido ao melhor poder de processamento de um PC em comparação com uma câmera o que possibilitam um tratamento bem melhor do que é feito na maioria das câmeras digitais. Melhores algoritmos podem tirar um pouco mais de informações do sensor da sua câmera dessa forma é possível produzir mais resolução, menos ruído a melhor qualidade de cor e precisão. Observe a resolução vantagem mostrado a seguir:



Imagens reais a partir de testes com uma câmera Canon EOS 20D usando uma ISO 12233 gráfico. Diferencial entre RAW e JPEG pode variar para cada câmera e software de conversão.
A imagem JPEG não é capaz de resolver as linhas estreitamente espaçadas como os da imagem RAW. Mesmo assim, um arquivo RAW não pode atingir o ideal para mostrar as linhas porque o processo de demosaicing sempre introduz um efeito “soft” na imagem. Apenas três sensores que capturar todas as cores em cada pixel poderia alcançar o ponto ideal como na terceira imagem (como o tipo de sensores Foveon).Flexível balanço de branco
O balanço de branco é um processo de remoção de cores irrealista nas suas imagens que podem ser causados por determinados tipos de iluminação. As cores irrealista em imagens JPEG podem, muitas vezes, serem removidas no pós-processamento, mas ao custo de perda de qualidade (geração de ruído). Isso porque o ponto branco será efetivamente fixado duas vezes: uma vez em na conversão do RAW e novamente no pós-processamento. Arquivos RAW dão a capacidade de definir o balanço de branco em uma foto após a imagem ter sido feita - sem destruir os bits, ou seja, sem perda de qualidade e geração de ruído
Grande profundidade de bits
As câmeras digitais gravam cada canal de cor com mais precisão do que os 8 bits (256 níveis) por canal utilizado em uma imagem JPEG (consulte “Entender Bit Depth”). A maioria das câmeras atuais captura cada cor com 12-bits de precisão (212 = 4096 níveis) por canal de cor, fornecendo muito mais níveis do que poderia ser conseguido através da utilização de um arquivo JPEG. Quanto maior a profundidade de bits diminui sensivelmente a posterização das imagens e aumenta a sua flexibilidade na escolha de um espaço de cores e no pós-processamento.

Dynamic range e compensação da exposição

O formato de arquivo RAW normalmente fornece consideravelmente mais intervalo dinâmico (”dynamic range”) do que um arquivo JPEG, dependendo de como a câmara cria o JPEG. o “dynamic range” refere-se ao intervalo de luz a escuridão que pode ser captada pela câmera antes de se tornar completamente branco ou preto, respectivamente. Uma vez que os dados de cor brutos não foram convertidos em valores logarítmicos utilizando curvas a exposição de um arquivo RAW pode ser ajustada ligeiramente - após a foto ter sido feita. A compensação de exposição pode corrigir erros de medição, ou pode ajudar a trazer mostrar informações que foram perdidas nas sombras ou realçar detalhes. O exemplo a seguir foi feito diretamente para o sol, e mostra o mesmo arquivo RAW com -1, 0 (sem alteração), e +1 parar a compensação de exposição.








Nota: +1 ou -1 parar se refere a uma duplicação ou redução para metade da luz usada para uma exposição, respectivamente. Outra forma de medir pode ser feito em termos de eV, e assim para +1 é equivalente a +1 eV.
Note ampla quantidade de sombras e luzes altas nas três imagens. Resultados semelhantes não poderiam ser alcançados apenas com ajustes de brilho ou escurecimento de arquivo JPEG - tanto na faixa dinâmica e na lisura dos tons.
Sharp Reforçado
Uma vez que um arquivo é gerado RAW o processo de nitidez da câmera não é aplicado nele e assim como o demosaicing, existem algoritmos melhores para nitidez que precisam de intensivo uso de processador. O Sharp realizado em um computador pode criar níveis de ruído proporcionais a quantidade de sharp aplicado na imagem.
A nitidez da imagem depende da distância que ela é visualizada. O formato de arquivo RAW também oferece um controle maior sobre qual o tipo e a quantidade de nitidez é aplicada (dada a sua finalidade). A aplicação de sharp normalmente é a última etapa de pós-tratamento, uma vez que não pode ser desfeita, portanto, ter um JPEG com sharp não é bom.

Menos perda na compressão
O formato de arquivo RAW utiliza uma compressão sem perdas, e assim ele não possui ruído visíveis devido a compressão com acontece com as “perdas” da compressão JPEG. Os arquivos RAW contêm mais informações e possuem uma melhor compressão que um TIFF, mas sem perda de qualidade (ruído) da compressão JPEG.
Kodak e a Nikon empregar um algoritmo compressão RAW perdas ligeiras, embora qualquer ruído é muito menor do que seria percebido com a mesma imagem JPEG. A eficiência de compressão RAW também varia com a câmera digital e o fabricante.

Desvantagen
Arquivos RAW são muito maiores do que arquivos JPEG e, por isso, menos fotografias pode caber dentro do mesmo cartão de memória.
Arquivos RAW estão consomem mais tempo no pos-processamento, pois estes podem exigem conversão manual para cada etapa.
Arquivos RAW muitas vezes demoram mais tempo a serem gravado em um cartão de memória, uma vez que são maiores, pois a maioria das câmeras digitais pode não obter a mesma taxa que um JPEG.
Arquivos RAW não podem ser entregues a outros imediatamente, uma vez que requerem um software específico para lê-los, por isso, pode ser necessário primeiro convertê-los em JPEG.
Arquivos RAW exigem um computador mais potente com mais memória (RAM).
Outra considerações sobre o Raw
Um problema com o formato de arquivo RAW é que ele não é muito padronizado. Cada câmera tem seu próprio formato de arquivo RAW proprietária e, por isso, um programa pode não ser capaz de ler todos os formatos. Felizmente, a Adobe anunciou uma especificação de negativo digital (DNG) que visa padronizar o formato de arquivo RAW. Além disso, qualquer câmara que tem a capacidade de salvar arquivos RAW deve ter o seu próprio software para lê-los.
Um bom software de conversão RAW pode trabalhar com lotes de arquivos e pode executar todos os processos e automatizar as etapas de conversão exceto aqueles que você escolher modificar separadamente. Isso pode atenuar ou mesmo eliminar a vantagem da facilidade de uso de arquivos JPEG.
Muitas novas câmeras podem salvar imagens JPEG e RAW ambos simultaneamente. Isto proporciona-lhe de imediato uma imagem final, mas mantém o RAW “negativo” para o caso seja necessária uma maior flexibilidade posteriormente.
Resumo
Então o que é melhor: JPEG ou RAW? Não existe uma resposta, uma vez que este depende do tipo de fotografia que você está fazendo. Na maioria dos casos, o arquivo RAW irá fornecer a melhor solução, devido às suas vantagens técnicas e ajuda diminuir o custo dos grandes cartões de memória. Arquivos RAW dão ao fotógrafo muito mais controle, mas em contra partida exige mais tempo no pos-processamento, mais espaço de armazenamento e facilidade de uso. O RAW, muitas vezes, não vale a pena para fotografar momentos informais e fotos sem muita importância, entretanto quando se fotografa as paisagens e faz fotos como arte deve-se optar RAW, a fim de maximizar a qualidade da imagem das suas potencialidades câmera digital.
E mais importante de tudo, se você faz fotos para a venda, fotografe sempre em RAW, pois o maior motivo de rejeição de imagens de iniciantes no mundo da fotografia Stock é devido ao ruído e, sem dúvida, a utilização de arquivos RAW é a melhor forma de contornar isso.
No próximo artigo vou dar algumas dicas de programas para se trabalhar com RAW e algumas dicas do Câmera RAW da Adobe que é o software que utilizo atualmente.

Fonte: cambridgeincolour.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário