segunda-feira, 24 de maio de 2010

Trabalho do fotógrafo Kim-Ir-Sen



Trabalho do fotógrafo
Kim-Ir-Sen sobre Olhos D’ Água
será mostrado na Feira do Troca



As fotografias em preto e branco foram feitas na década de 70 e serão expostas em dois ambientes: ao ar livre, no formato de banner, na praça onde acontece a feira, e em ampliações 35X45 cm no espaço Olhos D’ Arte. Também no período de 03 a 06 de junho será exibido o vídeo Santo Antônio do Olho D’Água.
Um pequeno povoado, encravado no Planalto Central, onde a energia elétrica ainda não havia chegado, o carro-de-boi era o principal meio de transporte das mercadorias e as mulheres trabalhavam no tear com o conhecimento adquirido de suas mães e avós. Nesse lugar, denominado Santo Antonio do Olho D`água e distante apenas 80 Km de Brasília, os habitantes conviviam em harmonia com a natureza e preservavam seus antigos valores culturais. Essa gente de hábitos simples, generosa e de olhar sincero encantou o jovem Kim-Ir-Sen. Várias fotografias expostas foram feitas em 1972 e significam um marco na vida deste fotógrafo e cineasta. Foi com esse primeiro trabalho em Olhos D’Água, aos 22 anos de idade, que ele se apaixonou pela fotografia e nunca mais a deixou.
Kim-Ir-Sen se tornou fotógrafo profissional, trabalhou na Folha de São Paulo e, de volta a Brasília, ajudou a criar a Ágil, agência que se tornou referência no fotojornalismo na década de 80. Em 1988 se transferiu para São Paulo, onde atuou como repórter-fotográfico em várias publicações, entre elas a revista Guia Rural, da Editora Abril. Em Goiânia, onde reside há 14 anos, Kim continua fotografando. Também leciona em faculdades de Comunicação e gerencia o seu Banco de Imagens, que em breve poderá ser totalmente acessado via Internet.

O filme

Quando retornou a Goiânia, em 1996, Kim decidiu colocar em prática os seus projetos cinematográficos. Um deles encontrava-se na gaveta há muitos e muitos anos. Eram as imagens em preto e branco, captadas no povoado de Olhos D`Água por ele e mais três amigos naquele ano de 1972, naquele começo de tudo. A idéia era editar um documentário no formato 16mm, mas isso não foi possível devido ao desgaste sofrido pelos negativos em 27 anos. Decidiu-se então elaborar um vídeo reunindo imagens em movimento e fotografias. Um dos recursos utilizados foi retornar a Olhos D’Água, apresentar as imagens colhidas no passado e registrar, em áudio, a emoção de alguns habitantes, entre eles descendentes daqueles antigos moradores do lugar. As imagens em movimento também foram mescladas com fotografias feitas por Kim de 1972 a 1979.
O filme “Santo Antonio do Olho D’Água foi mostrado pela primeira vez durante o I Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA), em junho de 1999, na histórica cidade de Goiás e que ainda preserva os valores da vida simples do interior. Olhos D’ Água, felizmente, também não perdeu totalmente a sua pureza. Tanto que continua atraindo outros jovens nos finais de semana e também não são poucas as pessoas que trocaram a agitação da cidade grande pelo sossego do lugar e hoje ali vivem, inclusive incentivando a produção do artesanato local e a preservação do cerrado.

Um comentário:

  1. Parabéns ao KIM pelas belissimas imagens! - http://www.facebook.com/brazilpress

    ResponderExcluir