terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Janelas

Janelas sempre foi meu ponto de atração, o visgo nelas inerente, e por demais avassalador, um encanto só comparável a vozes de mil sereias, imaginando uma travessia no atlântico.
Bernardo Elis, quando pela sua passagem pelo planeta,escreveu no meu primeiro livro um poema que começa com a benção a Janela, amém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário